Plano de Saúde Empresa, Individual, Familiar e Adesão

Os três últimos reajustes para planos de saúde individuais e familiares divulgados pela ANS foram 13,55%, 13,57% e 13,55%, referentes aos anos de 2015, 2016 e 2017. A inflação no período equivalente foi 8,17%, 9,17% e 4,08 %.

Os planos de saúde sempre tiveram reajustes acima da inflação. É justificável ter reajuste acima da inflação, pois procedimentos novos são incluídos todos os anos. São procedimentos mais modernos de alto custo e muitos cotados em dólar. O dólar era cotado R$ 3,44 em 30/04/2016. No mesmo dia em 2017, o valor era R$ 3,01, portanto houve uma desvalorização de 10%. Sendo assim, não vejo motivo para ter reajuste 222% acima da inflação. Um agravante é o fato de não ter novos procedimentos inclusos pela ANS.

Planos de saúde empresarial tem um reajuste dependendo do tamanho da empresa. Como os reajuste são acima da inflação, mitas empresas estão acabando com o benefício ou migrando para planos de menores custos.

A situação dos planos de saúde por adesão é mais complicada ainda. Sempre os reajustes destes planos foram maiores que os índices da ANS. Em 2015 e 2016, os reajustes chegaram a 30%. A situação dos beneficiários é crítica. A mudança para planos de menor custo é significativa. Por causa do reajuste e o agravamento da crise brasileira, 1,4 milhão de beneficiários ficaram sem planos de saúde. As operadoras estão colocando planos com rede credenciada reduzida para baixar custos. Tem planos de saúde com 03 (TRÊS) hospitais na rede credenciada