Planos de Saúde Consulta Unificação

São dez faixas de preços para planos de saúde. A primeira vai até quem tem 18 anos e a última para quem tem mais de 58 anos. A diferença entre a primeira faixa e a última é de 500%, ou seja se a primeira faixa custar R$ 100,00, a última custará até R$ 600,00. A operadora de plano de saúde Amil, considerada uma da melhores e a maior operadora de planos de saúde do mercado, cobra R$ 122,45 para faixa etária até 18 anos no plano de saúde individual Amil Blue 1 em quarto coletivo e R$ 734,70 para o mesmo plano na faixa etária acima de 58 anos. Se  levarmos em conta o melhor plano da Amil (Amil 160), teremos: R$ 636,70 para a primeira faixa e R$ 3820,20 para última faixa. Analisando o relatório da ANS sobre a quantidade  de beneficiários em 2010 que foram mais 45 milhões e R$ 71 bilhões de reais na arrecadação e se fizermos a divisão, teremos R$ 130,00 pagos por mês em média por cada beneficiário dos planos de saúde. Tenho conhecimento de plano de saúde empresarial da Amil, com o custo de R$ 160,00 por beneficiário. Próximo aos valores da média paga por todos beneficiários e, também, próximo a 1a. faixa do plano de saúde individual da Amil Blue 1.

Eu fico pensando que se a Amil pratica este preço (R$ 160,00) para plano de saúde empresarial, por que não fazemos pressão para acabar com as faixas etárias que tantos os idosos são penalizados. Acredito que com a extinção da faixa etária, a maioria da população e operadoras dos planos ganhariam, só os corretores de planos de saúde que perderiam clientes, pois a mudança de operadora seria muito menor, pois acabaria o reajuste de faixa etária que chega a ser superior a 50%, tendo assim só o reajuste anual definido pela ANS. As operadoras de planos de saúde não são empresas filantrópicas, mas elas tem que atender a população decentemente independente da idade. Elas colocam alguns empecilhos para dificultar a entrada dos idosos nos planos de saúde. O idoso, as vezes, tem que passar por consulta seletiva, e o corretor que pegar idoso como cliente não ganha comissão, ou seja, zero de comissão, vai trabalhar de graça. Acredito que com a unificação, haverá muito mais beneficiários de planos de saúde e o que é melhor, mais fiel, pois a grande maioria não trocaria de plano por causa do preço.

Esta seria uma consulta que deveria ser feita pela a ANS, devidamente analisada pelas pessoas competentes sem vínculo com nenhum setor envolvido. A equação para que os idosos tenham um plano de saúde condizente a preços acessíveis.

Novo Plano de Saúde da Medial

A operadora de plano de saúde da Medial, que pertence a Amil, está lançando um novo plano com preços a partir de R$ 50,00. Trata-se de plano de saúde ambulatorial/hospitalar com co-participação, e este preço é para faixa que vai até 18 anos em quarto semi-privativo.

A intenção é atingir 200 mil novos beneficiários neste plano de saúde até este final de ano. A rede credenciada do plano conta com 33 hospitais (alguns próprios da Amil) e 65 centros médicos . O plano será comercializado no Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Distrito Federal e nos estados do Nordeste, onde ela tem grande penetração.

O interesse da Medial é atuar mais forte no plano de saúde empresarial, podendo oferecer um amplo leque de planos para contemplar diversas faixas salariais de uma empresa.

Novos Planos de Saúde Amil

A partir de junho, a Amil estará lançando novos planos de saúde. A Amil é sócia majoritária da Dix e Medial, e decidiu que elas deixarão de negociar seus produtos no dia 30 de junho. Ela está lançando 3 linhas de produtos que serão a linha Blue, Dix e Medial. Na Amil linha Dix, teremos o DIX 100 e o Dix 200, onde ambos serão regionais, sem reembolso. Na linha Blue teremos o Blue 300, que será um plano de saúde estadual e sem reembolso. Teremos o Blue 400, o 500, 600, 700 e 800, todos eles planos de saúde nacionais com reembolso. Na linha Medial, teremos um correspondente aos produtos da linha Dix e da linha Blue, sendo os que correspondem a linha Dix, terão franquia, e os que correspondem aos da linha Blue, terão co-participação, eles terão a mesma rede credenciada, sem reembolso e 25% mais barato. A diferença entre franquia e co-participação, é que a franquia é paga no ato que se faz algum procedimento e a co-participação, a cobrança virá no boleto. Em julho, só serão vendidos produtos da Amil, sendo da linha Dix, Medial ou Blue. Com isto, a Amil espera atingir todas as faixas de renda e ter um amplo leque no caso de plano de saúde empresarial.

Plano de Saúde - Consultas Prorrogadas

A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) prorrogou duas consultas. A primeira trata sobre consulta pública de nº 40 que foi prorrogada até o dia 21 de maio, que versa sobre atualização de coberturas obrigatórias de novos 50 procedimentos (exames e eventos), sendo  36 na área cirúrgica videolaparoscopia. Estes novos procedimentos só atingirão aos planos de saúde contratados a partir de 1999. A segunda consulta pública prorrogada é a de nº 41 que trata do funcionário que se aposenta no plano de saúde empresarial, mesmo que a empresa mude de operadora. A data para encerrar esta consulta é dia 02 de junho.

Planos de Saúde - Prazo de Atendimento

pós análise da consulta pública de nº 37 entre 03 de fevereiro e 04 de março, deste ano, Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), publicou a Resolução Normativa nº 259 que garante aos beneficiários de planos de saúde o atendimento, como prazos máximos, dos serviços e procedimentos por ele contratados.  As operadoras deverão garantir que os beneficiários de planos de saúde tenham acesso aos serviços/procedimentos definidos no plano, no município onde os demandar ou nas localidades vizinhas, desde que estes sejam integrantes da área geográfica de abrangência e de atuação do plano. Elas terão noventa dias para se adaptar as novas regras.

O objetivo da norma é garantir que o beneficiário tenha acesso aos serviços e procedimentos que contratou e estimular as operadoras de planos de saúde a promover o credenciamento de prestadores de serviços nos municípios que fazem parte de sua área de cobertura do plano de saúde.

Nos casos em que não houver rede assistencial a operadora deverá garantir o atendimento em prestador não credenciado no mesmo município ou o transporte do beneficiário até um prestador credenciado, assim como seu retorno à localidade de origem, com os custos  por conta da operadora de planos de saúde.

Nos municípios onde não existam prestadores para serem credenciados, os poderão oferecer rede assistencial nos municípios vizinhos.

Para casos de urgência/emergência têm um tratamento diferenciado e a operadora deverá oferecer o atendimento invariavelmente no município onde foi demandado ou se responsabilizar pelo transporte do beneficiário até o seu credenciado.

Deverá a operadora de plano de saúde reembolsar, se não oferecer alternativa e será integral, caso não haja cláusula contratual prevendo reembolso.